Vale a pena conferir o curso SOA Adoption and Architecture Fundamentals

Vale a pena conferir o curso SOA Adoption and Architecture Fundamentals

Quando o assunto é SOA o que ouço de histórias de problemas de adoção, cancelamentos de projeto ou de como a empresa espera retomar a iniciativa, tem um sortimento tão grande que sem dúvida daria para escrever um livro.

Não é possível apontar exatamente quem é o culpado por toda essa frustração, mas posso dizer que alguns sintomas são muito comuns.

- Pensar que SOA é um produto – Muitas empresas confundem uma abordagem estrutural corporativa com a aquisição de um produto de suporte, é fácil imaginar que ao adquirir um conjunto de ferramentas para construir webservices está automaticamente desenvolvendo SOA.

- Não rever práticas de desenvolvimento – Desenvolvimento de sistemas ou desenvolvimento de integrações de sistemas são atividades totalmente conhecidas, a adoção de métodos tradicionais ou modernos de SDLC é totalemente aplicável para esses projetos, no entanto, quando o assunto é SOA, conseguir aplicar o método correto e ajustado é essencial para o sucesso da nova visão de tecnologia da informação.

- Não colocar na mesma mesa TI e negócio – Olhando para aspectos não técnicos, decidir implantar SOA em uma companhia sem o envolvimento e a dedicação da área de negócio é a assinatura de um cheque em branco, puro prejuízo. Não basta pedir para que a área de negócio ajude a área de TI, as áreas de TI e de negócio devem andar de mão dadas, pois é um investimento comum das duas partes.

Quando soube do novo curso SOA Adoption and Architecture Fundamentals oferecido pela Oracle University a primeira coisa que fiz foi buscar informações a respeito dos tópicos abordados, e posso dizer que o conteúdo chamou muito a minha atenção positivamente.

O foco desse treinamento são os aspectos fundamentais do SOA, mapeando desde as atividades iniciais até o momento em que se tem arquitetura e processos maduros na companhia.

171788

Vale ressaltar alguns pontos do conteúdo do curso, logo de cara no primeiro capítulo, é apresentada a arquitetura de referência da Oracle e o conceito de implementação de tecnologia que eles utilizam, logo em seguida, é abordado o modelo de maturidade SOA.

SOA-maturity-model-large
Pode parecer irrelevante ou até mesmo presunçoso ter esses dois temas no curso pois são focados diretamente na visão da Oracle sobre SOA, mas posso afirmar com tranquilidade que a riqueza de informações que se extrai desses tópicos podem fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso de uma iniciativa SOA.

Com uma visão correta de arquitetura (lógica e física), associado a um processo correto de desenvolvimento SOA (envolvendo programa e projetos) e se sabendo como traçar o caminho para o futuro (modelo de maturidade), o sucesso na adoção do SOA fica um pouco mais próximo.

O demais tópicos são tão importantes quanto os primeiros, com eles se aprende como organizar o desenvolvimento dos projetos, como lidar com as dependências de serviços, como reconhecer, definir e reutilizar serviços de negócio, além de obviamente, tratar do processo de governança de todo esse ecossistema, tentando garantir a saúde geral da iniciativa.

Creio que não seja demais enfatizar, com esse curso você não vai aprende a utilizar o SOA Suite ou o Weblogic Server, o foco são métodos e processos, é entender como se faz para alinhar a área de negócio com a área de TI, como a área de TI deve se comportar para conseguir tirar proveito do SOA, como fazer o sonhado ROI efetivamente acontecer, como pensar no futuro desenvolvendo soluções para o presente.

Um pouco mais sobre WebCenter

Um pouco mais sobre WebCenter

A experiência de ministrar cursos técnicos é sempre enriquecedora, seja pelo objetivo de apresentar da melhor maneira o conteúdo programático, seja pela possibilidade de discutir temas relevantes para a rotina dos alunos, ou até mesmo por poder colaborar indiretamente no sucesso das empresas contratantes.

Essa semana ministrei o curso Oracle WebCenter Spaces 11g: Build E2.0 Portals and Communities, onde são expostas as características sociais do produto Oracle WebCenter Suite.

O conteúdo do curso é vasto a respeito das capacidades básicas embutidas na plataforma, no entanto, não é exposto um conteúdo onde é apresentada uma visão mais ampla das possibilidades.

Dessa forma, decidi criar um diagrama que exponha um pouco das capacidades da plataforma WebCenter Suite e as possibilidades de integração que seus usuários podem lançar mão.

Sobre o WebCenter

O Oracle WebCenter é uma plataforma baseada na tecnologia Java EE e Portal, tem como filosofia fortalecer a convergência da interação entre os usuários e as informações do negócio utilizando um conjunto de componentes pré-construídos e possibilita agregar componentes adicionais para responder às necessidades de negócio.

Seus componentes pré-construídos atuam fortemente na integração dos usuários, permitindo realizar a criação da rede social corporativa, já suas possibilidades de integração externa tornam a plataforma um ponto ideal para concentração das aplicações corporativas existentes.

Visão Geral

Visão básica

No meu ponto de vista o produto pode ser dividido em três verticais, pessoas, negócio e serviços.

  • Pessoas, diz respeito a todas as funções de integração entre os usuários, como por exemplo, a ligação de relacionamento e o sistema de comunicação por correio ou comunicação instantânea.
  • Negócio, as capacidades de integrar sistemas corporativos à plataforma, unificando plataformas distintas em apenas um ecossistema.
  • Serviços, os componentes nativos da plataforma, que permitem a criação de portais corporativos, grupos de usuários baseado em contextos, entre outras capacidades.

Tais verticais podem ser detalhadas para algo parecido com a imagem abaixo.

Detalhamento

 Pessoas

Detalhamento Pessoas

Possibilitar a relação interpessoal e é fundamental na plataforma, a companhia deter-se apenas a essa função é abster-se de uma série de possibilidades secundárias que atuam diretamente no interesse corporativo.

A evolução das relações corporativas podem ser alcançadas por meio da unificação de processos, aplicação de conformidades operacionais, compartilhamento de informações por meio de documentos geridos, entre outras ferramentas, todos esses objetivos podem ser atingidos a partir desse módulo em cooperação com os demais módulos da plataforma.

Negócio

Detalhamento Negócio

Entender o universo de recursos que podem ser agregados para a expansão da plataforma muitas vezes não é claro para seus usuários, a imagem acima mostra um pouco das tecnologias que podem fazer parte do WebCenter Suite.

Serviços como o Oracle BPM, Webservices, portal, ECM, MS Office, conteúdo com XML, arquivo texto, HTML e integração com Banco de Dados permitem que o produto seja bastante flexível e  atenda as mais variadas demandas.

Serviços

Detalhamento Serviços

 O conjunto de serviços básicos da plataforma permitem a realização de uma série de ações que integram os usuários à companhia e facilitam sua comunicação.

Utilizar o serviço de Anúncios facilita a comunicação corporativa por meio do envio eletrônico de comunicações, o serviço de Agendas (eventos) permite alinhar as expectativas das equipes por meio de uma agenda única de ações, o sistema de Tags facilita a descoberta dos conteúdos corporativos por meio do serviço de Pesquisas, sem contar os serviços de referência por meio de links.

Caso de Uso

Para ilustrar um caso de uso sobre as facilidades do WebCenter vou referenciar uma imagem do manual do produto, especificamente o capítulo 11.4 AviTrust Employee Portal: An Example of Delegated Navigation do manual do usuário.

 

Estrutura de Navegação

Na imagem acima, é apresentado o recurso de estruturação de um portal, são criados Subspaces para acomodar as áreas da companhia e a área de banco possui outros níveis de Subspaces.

Essa imagem ilusta os recursos de criação de espaço e a criação de sub-espaços, além da possibilidade de criação de páginas de acesso dos usuários. Um espaço ou um sub-espaço são apenas áreas de contexto, é necessário que existam páginas para que seja possível acessar esses espaços.

Diante da visão do diagrama de estrutura de navegação, é fácil imaginar a possibilidade de criar sites corporativos e intranets em um único ambiente compartilhando dos recursos disponíveis e das facilidades construídas. Realizar esse tipo de construção é um caminho quase natural, principalmente por ser fortemente apoiada pelo rigoroso sistema de autorização de acesso, que garante a gestão do acesso aos recursos com um profundo grau de detalhamento e pelo poderoso serviço de busca, que permite recuperar qualquer conteúdo interno do produto ou de sistemas externos que permitam indexação.

As páginas são um dos principais pontos de acesso dos recursos avançados do WebCenter, são nelas que os portlets são adicionados, onde são construídos os componentes de interação, onde podem ser consumidas bases de dados, Webservices e arquivos XML. Além do uso dos componentes, os objetos podem ser ligados, podem ser passados parâmetros e enriquecida a interação.

Por se tratar de um tema vasto, aliado ao fato de que esse artigo esta um pouco maior do que o esperado, em breve escreverei especificamente sobre as páginas do Webcenter, suas capacidades e recursos.

 

SOA Suite 11g, algumas dicas.

Sempre que apresento o Oracle SOA Suite 11G para uma nova turma e digo que partir de então todo desenvolvimento será feito utilizando XML a reação de alguns alunos é mais que previsível, por mais que o formato XML seja algo comum no dia-a-dia de quem trabalha com desenvolvimento de sistemas, muitas das vezes o XML é utilizado de maneira marginal ou tem um papel coadjuvante, se deparar com a notícia que aquele conhecido distante se tornará seu melhor amigo mesmo que a contragosto é realmente algo que não se espera.

Tudo bem, eu sei que de certa forma exagero um pouco quando falo isso, não consigo evitar o apelo dramático que expor essa notícia tem, no entanto, essa é uma realidade da qual os alunos não devem fugir, todo produto foi desenvolvido utilizando esse formato e é realmente importante que eles entendam a mudança de paradigma e assimilem essa necessidade o mais breve possível.

Se o fato lidar com um grande volume de XMLs no novo ambiente chama a atenção de boa parte das turmas, apresentar os componentes que a suite possui sem dúvida consegue colocar uma pulga atrás da orelha de outra grande parte das turmas, por exemplo, utilizar uma máquina de regras nas avaliações de condição ao invés de declarar as condições no código é algo bem diferente do que se utiliza até então, entender a aplicabilidade desse componente e conseguir utiliza-lo coerentemente  faz as cabecinhas dos alunos esquentarem.

No intuito de complementar o conteúdo dos cursos, busco indicar referências de literatura relevante para quem busca conhecer mais do produto e dos conhecimentos complementares que ele exige, dessa forma, algumas indicações:

 

XSLT 2.0 and XPath 2.0 Programmer’s Reference – Michael Kay

 

 

 

 

 

 

Web Service Contract Design and Versioning for SOA – Thomas Erl; Anish Karmarkar; Priscilla Walmsley; Hugo Haas; L. Umit Yalcinalp; Canyang Kevin Liu; David Orchard; Andre Tost; James Pasley

 

Oracle SOA Suite 11g R1 Developer’s GuideOracle SOA Suite 11g R1 Developer’s Guide – Antony Reynolds, Matt Wright

 

Ano novo, cursos novos. Que venham as turmas.

 

Estou me preparando para dar início à agenda de cursos 2012 e tem me chamado a atenção as demandas que estão sendo programadas.

Dois temas tem tido um volume crescente de solicitações, Oracle BPM e Oracle Webcenter, ambos os temas tem sido requisitados com uma frequência cada vez maior nos últimos meses.

Sobre o que diz respeito à solução de BPM acredito que esse seja o melhor momento para sua adoção, aqueles que adotaram o produto logo no seu lançamento pagaram um alto preço por adotar um produto não testado e que não tinha um programa de  capacitação disponível.

Se não bastasse a necessidade de adquirir conhecimento na área de processos para utilizar o BPM, o produto exige a capacitação na suite Oracle SOA, que até então possuía apenas o curso de desenvolvimento e que ainda assim, dependia fortemente dá disposição do instrutor para cobrir algumas deficiências sérias do material.

 

As Boas Notícias

O ano de 2012 começa muito bem, no decorrer do ano passado foram criados os cursos que faziam muita falta na formação dos profissionais nos novos produtos da Oracle, a melhor notícia de todas é que o curso de apresentação da suite Oracle SOA foi completamente reformulado e agora cobre os temas que faziam falta na versão antiga.

Sendo assim, para 2012 os seguintes cursos estão disponíveis para capacitar os profissionais de tecnologia no que diz respeito às tecnologias SOA e BPM da Oracle.

Um detalhe importante sobre os cursos acima é que eles são baseados em versões mais recentes dos produtos, esse item por si só torna o resultado da instrução muito superior, uma vez que dispensa uma série de problemas que as versões iniciais possuem.

 

Rumo a Socialização

Como ja citei, a busca por cursos referente ao Oracle WebCenter tem aumentado muito nos últimos meses, o mercado tem reconhecido o poder do produto como uma ferramenta de criação e suporte a portais corporativos e intranets.

Além disso, ser um produto que desde a sua concepção é fortemente voltado a socialização dos seus usuários é um forte diferencial que tem sido explorado pelas empresas, seja para fidelizar seus clientes externos e internos, seja para criar portais orgânicos e sociais de maneira simples e eficiente.

 

Consolidação da Plataforma

Acredito que esse movimento é um reflexo da consolidação da plataforma Oracle Fusion Middleware, nos últimos três anos tenho acompanhado e vivido seu crescimento, a busca pela capacitação é um movimento natural, uma vez que a cada dia que passa, mais empresas estão adotando esse conjunto de produtos como linha de frente para condução do seu negócio, seja pela adoção da arquitetura SOA, seja para implantação da gestão de processo de negócio ou com a criação de portais 2.0, ou melhor ainda, seja pelo uso de tudo isso junto e misturado.